Educação: 73% dos professores propõem atividades com uso da internet no país

A maioria dos professores usa a internet e aproveita a rede em atividades com os alunos, constatou a pesquisa TIC Educação divulgada hoje (29).

Segundo o estudo, 100% dos docentes de escolas particulares e 98% dos que lecionam na rede pública são usuários da internet. Desses, 73% trabalham com o ambiente virtual em suas aulas. São diversas formas de aproveitamento: aulas expositivas (52%), trabalhos sobre temas específicos (59%) e solução de dúvidas individuais (45%).

A diferença mais marcante entre o uso da rede em escolas privadas e públicas é em relação a presença da internet na sala de aula. Nas instituições particulares, 50% dos professores usam o ambiente virtual com os estudantes na própria sala de aula e 29% em laboratórios de informática. Nos estabelecimentos de ensino estaduais e municipais, o número de docentes que usa a internet na sala de aula cai para 23% e o dos que aproveitam as ferramentas da rede em laboratórios de informática fica em 35%.

Entre os estudantes, 75% dos matriculados em escolas públicas usam internet no celular, contra 87% nos estabelecimentos privados – média de 78%. Entre os professores, 92% dos que lecionam em instituições particulares acessam a rede no telefone móvel, percentual que fica em 82% dos que trabalham na rede pública – média de 85% dos docentes.

A internet no celular é usada por 39% dos professores em atividades com os alunos.Nas escolas particulares esse número chega a 46% e nas públicas fica em 36%. O índice é maior nas classes do 2º ano do ensino médio (42%) e menor nas séries menos avançadas: 35% nos 4º e 5º anos do ensino fundamental e 38% nos 8º e 9º anos.

Wi-fi

Quanto à disponibilidade de acesso à internet, 94% das escolas privadas e 84% das públicas têm redes sem fio. No entanto, a maioria dos alunos não tem acesso à senha da rede wi-fi.

Em apenas 16% das escolas particulares o acesso é livre para todos, percentual que fica em 6% nos estabelecimentos estaduais e municipais. Em apenas 19% das instituições privadas os alunos podem acessar a rede sem fio com uma senha – 16% nas escolas públicas. Em 58% das escolas particulares e em 62% das públicas a internet wi-fi é fechada para os estudantes.

A pesquisa foi realizada pelo Comitê Gestor da Internet no Brasil (CGI.br), através do Centro Regional de Estudos para o Desenvolvimento da Sociedade da Informação (Cetic.br) e do Núcleo de Informação e Coordenação do Ponto BR (NIC.br).

Foram entrevistados 898 diretores de escolas, 861 coordenadores pedagógicos, 1,63 mil professores e 9,21 mil alunos entre setembro e dezembro de 2015. O estudo envolveu 898 escolas.

Fonte: Notícias – Funadesp

Aplicativos para acompanhar as eleições 2016.

O primeiro turno das Eleições 2016 acontecerá no dia 2 de outubro, no próximo domingo, e você precisa estar preparadíssimo(a) para escolher o próximo prefeito e vereadores do seu município.

Para isso, nós fizemos um compilado de aplicativos que lhe ajudam antes, durante e depois do processo de votação!Observação: ainda assim, como mesária me vejo no dever de lembrar a todos que é proibido levar celulares ou máquinas fotográficas para a cabina de votação. 😝

Notícias e informações de candidatos

Felizmente, a tecnologia nos proporciona informações que antes provavelmente não teríamos acesso. Com os apps abaixo, você pode ler notícias sobre as eleições e também saber mais sobre os candidatos.


icon

IBOPE Eleições 2016

de IBOPE Inteligência

Compatível com MacsCompatível com iPadsCompatível com iPhonesCompatível com Apple WatchesCompatível com Apple TV
Versão 1.1 (21.5 MB)
Requer o iOS 7.0 ou superior

Grátis

Badge - Baixar na App Store

Código QR Código QR

Este app do IBOPE lhe mostra as intenções de votos de prefeitos por cidade. Além disso, é possível ver o gráfico dos prefeitos filtrado por renda, escolaridade, idade e também a pesquisa de aprovação do atual prefeito. Apesar de não ter muitas opções de cidades, infelizmente (nem achei a minha), as mais famosas estão presentes. Também é possível filtrar as notícias por cidade, apesar de também não ter tantas opções.


icon

UOL Eleições 2016 – Candidatos e apuração de votos

de UOL Inc.

Compatível com MacsCompatível com iPadsCompatível com iPhonesCompatível com Apple WatchesCompatível com Apple TV
Versão 2.2.0 (10.2 MB)
Requer o iOS 8.0 ou superior

Grátis

Badge - Baixar na App Store

Código QR Código QR

Este app da UOL contém diversas notícias sobre as cidades mais famosas, alguns vídeos de debates e pesquisas. Na aba “Candidatos”, é possível pesquisar os candidatos e obter alguns dados eleitorais (partido, número, etc.) e pessoais (nível de escolaridade, ocupação principal, etc.). Na opção “Minha Cola”, você pesquisa e seleciona os seus candidatos para ajudar na hora da votação.


icon

Candidaturas 2016

de Tribunal Superior Eleitoral

Compatível com MacsCompatível com iPadsCompatível com iPhonesCompatível com Apple WatchesCompatível com Apple TV
Versão 2.0.0 (21.7 MB)
Requer o iOS 6.0 ou superior

Grátis

Badge - Baixar na App Store

Código QR Código QR

Este app é oficial do TSE, por isso está aqui. Nele, é possível consultar diversas informações dos candidatos por cidade e cargos. Mesmo assim, o app trava várias vezes e as dimensões não estão todas corretas (pelo menos em iPhones com tela de 4 polegadas).


icon

Meu Voto – Projeto Brasil

de Innovation Oasys Desenvolvimento de Sistemas Ltda

Compatível com MacsCompatível com iPadsCompatível com iPhonesCompatível com Apple WatchesCompatível com Apple TV
Versão 1.2 (24.7 MB)
Requer o iOS 8.0 ou superior

Grátis

Badge - Baixar na App Store

Código QR Código QR

Este app foi o único que encontrei realmente o que eu gostaria de ver: propostas dos prefeitos! Infelizmente, muito poucas cidades estão disponíveis, mas veja na lista se sua cidade está lá e baixe o app pois é ótimo. É possível ver o perfil dos candidato com algumas informações e suas propostas para diversas áreas. Também é possível “comparar” propostas dos candidatos e fazer um “teste cego”, isto é, a proposta aparece na tela sem nomear o candidato e você dá estrelas conforme acha relevante ou não. Feito isso, o candidato daquela proposta aparece na tela.

Informações do processo eleitoral


icon

Eleições 2016

de Tribunal Superior Eleitoral

Compatível com MacsCompatível com iPadsCompatível com iPhonesCompatível com Apple WatchesCompatível com Apple TV
Versão 1.0.0 (15.8 MB)
Requer o iOS 8.0 ou superior

Grátis

Badge - Baixar na App Store

Código QR Código QR

Este app do TSE ajuda o eleitor a tirar qualquer dúvida sobre o processo eleitoral. Além de uma aba para notícias e outra para vídeos relevantes, você também tem números de contato do TSE em vários estados.


icon

Mesários

de Tribunal Superior Eleitoral

Compatível com MacsCompatível com iPadsCompatível com iPhonesCompatível com Apple WatchesCompatível com Apple TV
Versão 2.1.1 (22.3 MB)
Requer o iOS 8.0 ou superior

Grátis

Badge - Baixar na App Store

Código QR Código QR

Se você foi convocado(a) para ser mesário(a) nessas Eleições, aproveite para dar uma olhada neste app! Nele, você pode ver diversas informações relevantes para todo o processo durante o dia de Eleição. Mesmo que você já tenha sido mesário anteriormente, é sempre bom ter as informações para consulta pelo app, de forma organizada. Você ainda pode testar seus conhecimentos com um quiz.

Apuração dos votos

Depois que você já tiver exercido a sua cidadania e votado nos seus candidatos, você pode baixar estes dois apps (o primeiro sendo o oficial do TSE) para verificar os resultados e acompanhar a apuração!


icon

Resultados

de Tribunal Superior Eleitoral

Compatível com MacsCompatível com iPadsCompatível com iPhonesCompatível com Apple WatchesCompatível com Apple TV
Versão 1.0.0 (15.2 MB)
Requer o iOS 8.0 ou superior

Grátis

Badge - Baixar na App Store

Código QR Código QR


icon

Apura Fácil

de Actcon Comercio de Produtos de Informatica Ltda – EPP

Compatível com MacsCompatível com iPadsCompatível com iPhonesCompatível com Apple WatchesCompatível com Apple TV
Versão 1.2 (64.2 MB)
Requer o iOS 8.0 ou superior

Grátis

Badge - Baixar na App Store

Código QR Código QR

 Texto de:  Priscila Klopper (PC Magazine).

Ed. Física permanece no Ensino Médio.

Após o presidente Michel Temer assinar Medida Provisória para reestruturação do ensino médio no último dia 22, estabelecendo, entre outras coisas, que disciplinas como Artes e Educação Física não seriam mais obrigatórias, o MEC (Ministério da Educação) voltou atrás e divulgou nota esclarecendo que não haverá cortes de disciplinas. O secretário de Educação Básica do Ministério da Educação, Rossieli Soares, comentou a polêmica.

— Não está decretado o fim de nenhum conteúdo, de nenhuma disciplina. Do que a Base Nacional definir, todas elas serão obrigatórias na parte da Base Nacional Comum: artes, educação física, português, matemática, física, química. A Base Nacional Comum será obrigatória a todos.

A reformulação tem o objetivo de evitar a evasão escolar e melhorar a qualidade. Com a nova proposta, a carga horária passa de 800 para 1.400 horas/ano —, exigindo turno integral. De acordo com o plano do governo, a ampliação da carga horária será gradual.

Durante todo o primeiro ano e metade do segundo, o estudante seguirá a base comum. No ano e meio seguinte, porém, ele terá de fazer opções entre cinco áreas: linguagens, matemática, ciências da natureza, ciências humanas e formação técnica e profissional.

De acordo com o ministro da Educação, Mendonça Filho, a pasta investirá R$ 1,5 bilhão para ofertar o ensino integral a 500 mil jovens até 2018. O tempo integral passará a ser fomentado a partir do ano que vem.

A partir de 2017

A expectativa é de que essas mudanças comecem a ser aplicadas a partir de 2017, de acordo com a capacidade de cada rede de ensino. Conforme Mendonça, não há prazo de implementação para a reforma, mas a primeira turma deve ingressar no novo modelo em 2018.

A reforma do ensino médio passou a ser priorizada pelo governo após o Brasil não ter conseguido, por dois anos consecutivos, cumprir as metas estabelecidas. De acordo com dados do Ideb (Índice de Desenvolvimento da Educação Básica), que mede a qualidade do ensino no país, o ensino médio é o que está em pior situação quando comparado às séries iniciais e finais da educação fundamental: a meta do ano era de 4,3, mas o índice ficou em 3,7.

Atualmente, o ensino médio tem 8 milhões de alunos, número que inclui estudantes das escolas publica e privada. Segundo o Ministério da Educação, enquanto a taxa de abandono do ensino fundamental foi de 1,9%, a do médio chegou a 6,8%. Já a reprovação do fundamental é de 8,2%, frente a 11,5% do médio.

Projeto de lei que tramitava na Câmara dos Deputados já previa algumas das mudanças no currículo do ensino médio. A edição de medida provisória foi criticada por grupos e entidades ligadas à educação, que defendem uma maior discussão das mudanças.

Reações

A medida já vem causando polêmica entre entidades do setor, por causa do “atalho” proposto pelo ministro da Educação, Mendonça Filho, ou seja, o fato de propor as mudanças por meio de Medida Provisória (que vigora a partir da publicação no Diário Oficial da União) e não projeto de lei, com trâmite no Congresso e discussão mais ampla. Convencido pelo ministro da “necessidade urgente de mudar a arquitetura legal” desta etapa da educação básica, o presidente Michel Temer aceitou editar a MP. “Há um senso forte de urgência”, justificou Mendonça em fala no plenário da Câmara dos Deputados na quarta-feira (21) em sessão solene comemorativa aos 10 anos do movimento Todos Pela Educação.

Segundo ele, a reformulação será implementada pelas redes estaduais de forma gradual e ainda não há prazo definido para que todas as escolas estejam plenamente de acordo com o que preconiza o texto. “O mais determinante é o engajamento e o compromisso dos Estados em colocar tudo em prática, uma vez que o Brasil é o país das leis que não pegam. Mas conversei com vários secretários e a adesão é fortíssima, maior do que se esperava”, disse ao jornal O Estado de S. Paulo a presidente executiva do Todos Pela Educação, Priscila Cruz, salientando que a diversificação das trajetórias formativas é um dos pontos principais para melhorar o ensino médio.

Para o presidente do Consed (Conselho Nacional de Secretários de Educação), Eduardo Deschamps, ao ver que o conteúdo aprendido pode realmente ter aplicabilidade na vida prática o aluno se sentirá mais interessado e motivado a continuar o ensino médio.