Sobre admin

www.profdarwin.com

Como estabelecer uma boa relação entre escola e famílias de alunos com autismo

Transtorno do Espectro Autista, é um Transtorno Global do Desenvolvimento (TGD) que se reflete na pessoa através de dificuldades comportamentais, na comunicação e em interações sociais.

O Brasil possui aproximadamente 200 milhões de habitantes e, segundo estimativas do CDC (Centers for Disease Control and Prevention), órgão ligado ao governo dos Estados Unidos, cerca de 2 milhões são autistas.

O Censo Escolar 2018, divulgado em janeiro deste ano, revela um crescimento no número de matrículas de alunos com deficiência, transtornos globais do desenvolvimento e/ou altas habilidades/superdotação em classes comuns (incluídos) ou em classes especiais exclusivas, que alcançou 1,2 milhão em 2018, um aumento de 33,2% em relação a 2014. Quando uma criança com autismo chega a sua escola e se torna seu aluno, como promover um ambiente acolhedor não só para a criança ou adolescente, mas também para sua família?

Leia mais aqui

O polêmico vestibular na Índia que levou 23 jovens indianos ao suicídio.

O polêmico vestibular na Índia que levou 23 jovens indianos ao suicídio.
BBC NEWS BRASIL BBC NEWS BRASIL – 19/07/2019 – 07:44
Pelo menos 23 adolescentes do Estado de Telangana, no sul da Índia, se suicidaram desde o anúncio dos resultados das provas finais escolares, em abril. Deepthi Bathini, correspondente da BBC Telugu, explica porque esses resultados se tornaram controversos.
Thota Vennela gostava de cozinhar, assistir a shows de comédia e comer comida de rua. Seu irmão mais velho, Venkatesh, de 19 anos, ensinou-a recentemente a andar de moto. “Eu fiquei muito feliz que ela podia pilotar como uma motociclista profissional. Mas às vezes eu a seguia sem ela saber para ter certeza de que ela estava segura”, diz ele. Os irmãos brigavam pela moto e faziam brincadeiras um com o outro, e eram próximos.
Venkatesh luta para segurar as lágrimas enquanto tira a carteira para mostrar a foto da irmã. Em 18 de abril de 2019 – dia em que ela descobriu que tinha sido reprovada nos exames da 12ª classe (uma espécie de vestibular) – Vennela tomou veneno. Ela morreu horas depois em um hospital.
“Ela continuava repetindo, como eu pude falhar?”, lembra sua mãe, Sunitha. “Nós a consolamos e dissemos que estava tudo bem e que ela poderia se candidatar a uma reavaliação ou fazer os exames novamente. Mas, mesmo no hospital, ela continuava dizendo: ‘Eu deveria ter passado'”.
Vennela foi uma entre os mais de 320 mil estudantes em Telangana que não passaram nos exames de conclusão de estudos. Todos eles foram matriculados em escolas que seguem um currículo definido pelo conselho estadual de educação (algumas escolas indianas também ensinam programas estabelecidos por um conselho nacional).
A competição para entrar no ensino superior na Índia é feroz. E os exames de conclusão de estudos são cruciais para garantir um lugar em boas universidades – que, por sua vez, são vistas como um caminho seguro rumo a um emprego bem remunerado. As principais universidades também realizam testes de admissão independentes, mas mesmo os alunos que apresentam bom desempenho neles podem perder seu lugar se não passarem nos exames de conclusão de estudos.
Nos dias seguintes ao anúncio dos resultados do exame, alunos e pais protestaram, alegando ter havido erros nas questões; muitos exigiram que os exames fossem remarcados.
“Meu filho teve nota máxima em matemática, física e química em seus 11 exames. Mas este ano os resultados mostram que ele acertou apenas uma questão de matemática e zero em física. Como isso é possível?”, questiona Venugopal Reddy.
“Ele estudava para outros testes (de admissão) bem competitivos. Mas depois dos resultados, está desanimado. Ele parou de estudar e comer e se recusa a sair de casa. Estou preocupado com sua saúde mental”, acrescenta.
À medida que se intensificavam os protestos, iam surgindo relatos, em todo o Estado, de suicídios de estudantes que falharam nos exames.
Um grupo de defesa dos direitos da infância fez uma petição ao tribunal superior do Estado, que ordenou que as respostas de todos os estudantes reprovados fossem revisadas. Descobriu-se que 1.137 dos alunos que falharam na verdade passaram nos exames, entre eles, uma estudante que inicialmente marcou zero em um assunto, acabou marcando 99 (em escala até 100) quando suas respostas foram remarcadas.
No centro da controvérsia está uma empresa privada de software, a Globarena Technology, que em 2017 ganhou o contrato do governo para realizar o exame em todo o Estado para mais de 970 mil estudantes. Também é responsável pelo processamento das pontuações finais e por anunciar os resultados.
Entretanto, o conselho estadual de Educação, que terceirizou o trabalho para a Globarena, negou que os suicídios estavam ligados “aos erros técnicos e de processamento de resultados”.
A Globarena admitiu que houve erros.
“Seguimos o processo prescrito pelo conselho. Os incidentes que aconteceram são lamentáveis. Inicialmente, houve erros técnicos. Fizemos as correções”, disse VSN Raju, diretor executivo da empresa, à BBC.
A família de uma das alunas que se matou – Anamika Yadav – disse que vai processar o conselho estadual de educação e a Globarena.
Sua família disse à BBC que a garota de 16 anos se matou horas depois de descobrir que tinha sido reprovada nos exames. Em 27 de maio, a reavaliação apontou que ela havia passado nos testes, mas, horas depois, as notas foram novamente revisadas – e se constatou que ela tinha mesmo sido reprovada.
Parece que também houve erros na revisão das pontuações – que não tinha ficado a cargo da Globarena.
O pai de Vennela, Gopalakrishna, também diz que quer entrar na Justiça. “Eu não posso confiar no conselho. Como minha filha, que sempre foi uma boa aluna, pode ter ido tão mal nesse exame? Eu preciso de respostas.”
Entre os 1.137 estudantes que foram aprovados na segunda análise dos exames, não estava nenhum dos 23 alunos que se mataram. Mas seus pais não sabem o que fazer com esses resultados – eles estão chocados e com o coração partido, mas também estão perplexos e desconfiados.
A maioria dos pais falaram da dedicação e ambição de seus filhos.
Vodnali Shivani, de 16 anos, acordava bem cedo todos os dias para estudar. Ela queria ser engenheira e costumava dizer ao pai: “Espere cinco anos e nossas vidas mudarão”.
Devasothu Neerja queria se tornar médica e passava a maioria das noites estudando. “Ela sempre passou em todos os seus testes. Então, pensamos que devíamos fazer o que pudéssemos para ajudá-la”, diz seu pai, Rupal Singh.
Bhanu Kiran, de 18 anos, adorava matemática e queria se tornar uma hacker ética, então passava parte de seu tempo assistindo a tutoriais no YouTube sobre o assunto.
Mas essas memórias dão uma ideia da pressão pelo sucesso. Estudantes na Índia – especialmente aqueles que querem estudar engenharia ou medicina – fazem uma série de exames altamente competitivos, um atrás do outro.
E a corrida para garantir um lugar na faculdade começa cedo – dois anos antes dos exames de conclusão de curso – permitindo uma mistura arriscada e prolongada de estresse, expectativas e sonhos.
“O exame em si é rodeado por estresse”, diz a psicóloga Vasupradha Kartic. “Os estudantes precisam ser aconselhados regularmente”.
Ela acrescenta que os alunos precisam estar preparados para ver além dos exames – que falhar não significa que eles não tenham mais opções para uma carreira ou um futuro.

Autismo: como funciona e quais os benefícios da terapia ocupacional

As intervenções de profissionais dessa área da saúde ajudam as crianças com autismo a conquistar autonomia e independência nas tarefas do dia a dia.

À primeira vista, parece que investir tempo em terapia ocupacional (T.O.) tem a ver com ocupar o tempo vago com passatempos e atividades recreativas. Não. O objetivo de um tratamento nessa área tem a ver com desenvolver de modo sistematizado a capacidade da criança com autismo em desempenhar de forma autônoma, independente e plena as suas ocupações, tarefas e atividades do cotidiano que ela terá ao longo da vida.

Na primeira infância, por exemplo, a principal ocupação de uma criança é o brincar, baseado nisso o objetivo principal da T.O. será gerar funcionalidade e autonomia nesse brincar, sendo ele sozinho ou compartilhado com outras crianças.

Source: Leia mais aqui