Bolt: previsão dos tempo eram para 2040!

O céu é o limite?
Colunista mostra como a ciência explica a façanha de Usain Bolt e a evolução dos recordes olímpicos

O jamaicano Usain Bolt ganha, com folga, a final dos 100 metros rasos nas Olimpíadas de Pequim. Bolt detém o recorde da prova, com impressionantes 9s58 registrados no Mundial de Berlim (foto: Flickr/PhotoBobil).

O atletismo vem sendo sacudido há cerca de um ano. O responsável por essa revolução é um sorridente rapaz de apenas 23 anos chamado Usain Bolt. Os feitos desse atleta jamaicano têm levado os estudiosos do esporte a se questionar sobre quais seriam os limites naturais para a capacidade fisiológica humana e até quando veremos quebras de recordes nas diversas modalidades do atletismo.

Em duas ocasiões, Bolt venceu os 100 e os 200 metros rasos e participou da equipe vencedora do revezamento dos 4×100 metros rasos: nas Olimpíadas de Pequim (China), em agosto de 2008, e, mais recentemente, no Mundial de Atletismo em Berlim (Alemanha), no mês passado.

Nas duas competições, Bolt superou com enorme facilidade o recorde mundial nos 100 metros rasos. Em Berlim, o atleta obteve mais um feito: ele se tornou o detentor da quebra do recorde dos 100 metros rasos com a maior diferença da história, incríveis 0s11 (11 centésimos de segundo) abaixo da marca anterior! Além disso, em Pequim, o atleta jamaicano também suplantou com um sorriso nos lábios o recorde dos 200 metros, que já durava 12 anos.

Os resultados obtidos pelo fenômeno Bolt chamam ainda mais a atenção quando levamos em conta que quebras de recorde mundial no atletismo masculino são fenômenos raros. As marcas costumam se manter por longos períodos – em média, por cerca de 8 anos e 11 meses. Os recordes femininos no atletismo duram mais, 14 anos e 9 meses, em média.

Em outras modalidades, como a natação, a quebra de recordes é bem mais comum e ocorre, em média, com intervalos de poucos meses. Por que será que isso ocorre no atletismo? Estaríamos perto de alcançar os limites fisiológicos humanos? Ou teríamos tido gerações de atletas menos qualificados e, portanto, incapazes de suplantar as marcas anteriores?

Previsões

Cães de corrida disputam páreo em Londres. Estudos indicam que o limite para o desempenho atlético de cães e cavalos de corrida já foi alcançado (foto: Bernardo Esteves).

Pesquisas conduzidas por Mark Denny, professor da Universidade Stanford, nos Estados Unidos, e publicadas no final de novembro de 2008 no Journal of Experimental Biology analisaram a evolução histórica e os limites para o desempenho atlético humano em comparação com o desempenho de cães e cavalos utilizados em corridas. A partir da análise dos dados obtidos, foi também previsto quando essas marcas humanas seriam alcançadas.

Os resultados indicam que provavelmente já foi alcançado o limite para o desempenho atlético de cães e cavalos de corrida. Apesar da melhoria recente das técnicas de criação e de seleção genética, houve poucas alterações na velocidade desses animais nas últimas décadas.

O mesmo já não vale para a velocidade humana: ao analisarmos os resultados registrados desde os primeiros Jogos Olímpicos da era moderna, realizados em 1896 na Grécia, pode-se concluir que ainda não atingimos o limite em nenhuma das modalidades atléticas.

Contudo, segundo essa investigação, os limites humanos não estão distantes. Nos 100 metros rasos, por exemplo, Denny estima que o limite humano máximo esteja próximo de 9s48, 10 centésimos de segundo abaixo dos 9s58 cravados por Bolt em Berlim.

Entre as mulheres, o recorde atual dos 100 metros rasos (10s49) se mantém há 20 anos e pertence à norte-americana Florence Griffith-Joyner. Denny supõe que o limite máximo para essa prova seja de aproximadamente 10s19. Já a maratona feminina deve de ser a primeira prova a ter o seu limite máximo alcançado. O recorde atual dessa modalidade (2h15min25), batido em 2003 pela inglesa Paula Radcliffe, poderá ser reduzido em mais 3 minutos apenas, alcançando algo em torno de 2h12min41s.

O efeito Bolt
No entanto, as previsões de Denny podem não estar totalmente corretas, e parte das falhas em seus cálculos ficou clara depois dos resultados obtidos por Bolt. As previsões dos limites atléticos humanos dependem da análise da tendência das marcas previamente obtidas. É aí que está o problema!

Usain Bolt comemora a vitória nos 100 metros rasos nas Olimpíadas de Pequim. O desempenho do jamaicano está levando os cientistas a rever as equações para projetar a evolução dos recordes no atletismo (foto: Richard Giles).

Para entendermos como são feitos esses estudos, analisemos um trabalho similar realizado pelo estatístico Tatsuo Tabata, pesquisador do Instituto de Avaliação de Dados e Análises, no Japão. Ele elaborou um modelo que considerou todos os recordes na prova dos 100 metros rasos.

Segundo os dados desse modelo, o recorde de Bolt em Pequim deveria ser esperado somente em 2030. A marca obtida por Bolt em Berlim, por sua vez, era aguardada para um pouco antes de 2040!

Devido às façanhas de Bolt, foi preciso reajustar as equações para calcular a velocidade humana máxima. Até 2005, as análises conduzidas pela equipe de Tabata sobre a evolução dos recordes na prova de 100 metros rasos permitiam um bom ajuste com uma função exponencial que empregava uma constante e considerava um valor limite para essas marcas.

Os dados registrados até 2005 geravam limites máximos de 9s66 para os recordes dos 100 metros rasos. Quando, após a vitória de Bolt em Pequim, foram levados em conta os resultados alcançados até 2008, as previsões feitas posteriormente chegaram a um patamar máximo de 9s43. Um ano depois, com o novo recorde do jamaicano em Berlim, as expectativas diminuíram para um limite de 9s09.

Você pode até estar pensando que esse tipo de investigação não leva a nada e que se trata de um simples exercício vazio de futurologia. Porém, o uso da análise de séries históricas para a realização de previsões tem um profundo significado e se aplica às mais diversas áreas da ciência. A previsão do surgimento de uma nova epidemia de gripe, a análise do grau de destruição das florestas tropicais ou dos efeitos dos gases estufa são apenas alguns exemplos de aplicações possíveis desse método.

De qualquer forma, após o fenômeno Bolt, podemos chegar a algumas conclusões. Em primeiro lugar, vemos que os modelos empíricos para descrever os limites do desempenho humano no atletismo são ainda muito pobres. Além disso, notamos que é muito difícil prever algo que dependa da biologia humana, cheia de minúcias e, muitas vezes, sujeita ao imponderável.

Devemos sempre ter em mente que esses valores foram calculados por matemáticos e que, obviamente, não levam em conta a fisiologia humana. Eles trabalham simplesmente com dados e pressupõem que os ganhos de velocidade humana foram desacelerando gradualmente até que alcancem um limite máximo.

Provas curtas e longas
A melhoria nos tempos das corridas pode estar diretamente relacionada com a distância percorrida em cada prova. Isso é o que sugere uma análise da progressão e das tendências dos recordes mundiais conduzida por Giuseppe Lippi, da Universidade de Verona (Itália). Seu trabalho considerou nove modalidades olímpicas, entre as quais os 100, 400, 1.500, 10.000 metros rasos e a maratona. Trocando em miúdos, os resultados indicam que as provas mais longas apresentam maiores evoluções do que as provas mais curtas.

Corredores da maratona de Nova York (EUA). Os recordes de provas mais longas, como esta, apresentam maior evolução do que os de provas mais curtas (foto: Flickr/Martineric).

Segundo esses pesquisadores, as melhorias nos tempos das provas de atletismo podem ser explicadas por diversos fatores, como avanços nas metodologias de treinamento e nos equipamentos utilizados nas provas, maior conhecimento da fisiologia desportiva, mudanças sociais e ambientais e mesmo doping.

Além disso, a equipe de Lippi observou que as maiores evoluções nos tempos das corridas foram alcançadas pelas mulheres, e não pelos homens. Contudo, acredita-se que as mulheres jamais alcançarão os homens, pois historicamente os tempos mais velozes para as mulheres são sempre de 9,3% a 13,4% mais lentos do que os dos homens.

Lippi e sua equipe também observaram que a melhoria nos tempos de diversas modalidades do atletismo olímpico parece ter atingido um patamar. Essa observação se alinha com as previsões feitas por outros pesquisadores como Tabata, cujos modelos de evolução do desempenho atlético parecem se ajustar bem a certas modalidades como, por exemplo, o salto em distância, que tem apresentado nos últimos anos uma diminuição marcante no registro de recordes – duas únicas quebras foram registradas desde 1968.

Atletas fora de série como Bolt podem subverter as tendências observadas e definir novos patamares para o atletismo, mostrando que a frieza dos números nem sempre pode prever eventos biológicos.

Seu tamanho (1,96 metro) e agilidade também fazem uma enorme diferença. Na final dos 100 metros rasos em Berlim, por exemplo, o jamaicano completou a prova com apenas 41 passadas e alcançou incríveis 44,44 km/h no auge de sua velocidade, com uma média de 37,58 Km/h.

Análises biomecânicas indicam que o jamaicano apresenta grande eficiência em seus movimentos e uma composição diferenciada de suas fibras musculares. Além disso, uma autoconfiança associada a um estado mental de prontidão fazem a diferença para seu desempenho.

Mesmo assim, haveria um limite para a capacidade humana? Em caso afirmativo, qual seria o menor tempo possível? Somente a história poderá nos dizer. Seja como for, certamente parte das respostas serão escritas com as sapatilhas douradas de Usain Bolt! 

Jerry Carvalho Borges
Universidade Federal do Vale do São Francisco (Univasf)
04/09/2009

SUGESTÕES PARA LEITURA
Berthelot,G., Thibault,V., Tafflet,M., Escolano,S., El Helou,N., Jouven,X., Hermine,O., and Toussaint,J.F. (2008). The citius end: world records progression announces the completion of a brief ultra-physiological quest. PLoS. One. 3, e1552.
Charles,J.D. and Bejan,A. (2009). The evolution of speed, size and shape in modern athletics. J. Exp. Biol. 212, 2419-2425.
Denny,M.W. (2008). Limits to running speed in dogs, horses and humans. J. Exp. Biol. 211, 3836-3849.
Lippi,G., Banfi,G., Favaloro,E.J., Rittweger,J., and Maffulli,N. (2008). Updates on improvement of human athletic performance: focus on world records in athletics. Br. Med. Bull. 87, 7-15.
Nevill,A.M. and Whyte,G. (2005). Are there limits to running world records? Med. Sci. Sports Exerc. 37, 1785-1788.
Nevill,A.M., Whyte,G.P., Holder,R.L., and Peyrebrune,M. (2007). Are there limits to swimming world records? Int. J. Sports Med. 28, 1012-1017.
Tabata, T. World Records for Men's 100 m Defy Simple Curve Fitting. http://ideaisaac.blogspot.com/2008/09/world-records-for-mens-100-m-defy.html

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.